ago 192013
 

O DeFalla é o DeFalla cara!

Descobrindo o mundo, descobrindo a música. Lembro que eu já conhecia o Talking Heads da qual amo sempre com aquela mistura de pós punk com world music que cai como uma luva pra um inquieto geminiano como eu.

Em 1987 eu tinha meus 13 anos…

Lembro também da escola e do boom do rock gaúcho. Eram todas bandas pré “catalogáveis” digamos… Cada uma tinha o seu público, a sua trupe…

Tinha o TNT que era a banda rock n’ roll que aflorava a adolescência. Havia os Engenheiros do Hawaii que era a banda dos playboyzinhos e das patys. Havia os Cascavelletes que pra quem sabe, quem viveu essa época e frequentou os seus shows, eles eram os Beatles aqui do sul, lotavam ginásios por onde passavam.

E tinha também Os Replicantes que era a banda da turma do fundo da sala. Botou muita gente no “mal” caminho com a rebeldia a flor da pele.

Mas junto a tudo isso existia o DeFalla

Não me mande flores” já tocava nas rádios (em um tempo em que as rádios tocavam MÚSICAS)  e foi paixão a primeira ouvida!

Fui atrás da fita deles, meu amigo tinha ela original e como estávamos na era do modernismo com o recém lançamento dos rádios duplo-deck eu iria copiar a quela fita, ah iria…
Ao ouvir, o meu mundo mudou de cor…
O álbum, que começa com “Ferida” que entra com uma urgência total!
Um contra baixo que preenche todo o ambiente, a voz é inglês ou português? E essa bateria? Quantos estão tocando, 3, 4? E o que é isso nessa guitarra? Nesse solo? It’s been a hard day’s night…

Eu ainda não entendia de instrumentos, ainda não conhecia quem eram esses caras… Que música é essa? E não eram só acordes, tinha gente falando, gente conversando, barulhos, extintores….

Q qué icho” são colagens, samplers, swing e experimentalismo em uma época em que eu nem sabia o que era isso. Será que eles gravaram certo isso? Não é um erro de gravação? “Se você acha que eu sou débil mental tudo bem!” 

Quando começou “Sodomia” eu nunca tinha ouvido aquela batida de bateria e aquele baixo que parece que vai derrubar tudo… Era tanto pra mim, tanto pra minha cabeça… Eu só queria ouvir.

Papaparty“… Será que eu copiei essa fita certa? Scratchs… Guitarras noise, inglês, barulhos…

Tudo volta a ficar normal com “Não me mande flores”, essa afinal eu já conhecia e tem lá muitos méritos.

Mas não demora muito pra que “aquela baterista” venha novamente. “Idéias primais” era atordoante, diferente….

Eu precisava agora virar aquela fita…O que mais vem por aí meu Deus…

Sobre amanhã” começa, uma das músicas mais lindas que já ouvi e ouço até hoje. É arte em cordas, vozes e nylon.

Alguma Coisa” lembrava um pouco “Idéias primais”, muito diferente e meio atordoante.

Melô do Rust James” – Beat box? É isso? Scratchs… e imenda “Jo Jo”…Eu não estou entendendo!!!…

I’m an Universe” começa numa batida hardcore que lembrava os Replicantes, mas a essa altura eles já tinham perdido espaço no meu mundo.

Tinha um guarda na porta” era o casamento das batidas estranhas com o baixo hipnótico com a guitarra noise… A essa altura eu já estava abduzido.

Começa uns barulhos… Jason do filme sexta-feira 13 vai atacar? Não´…. 1,2,3,4… “Trash Man” começava… 85 baterias batendo, um vocal ensandecido cantando inglês.. “belive in my lies”… E as baterias surrando meus ouvidos e “Gandaia” acaba (ou começa?) com a confusão.

O que eu tinha acabado de ouvir? Eu não estava confuso, eu estava impactado, surpreso demais…

Eu, aos 13 anos tinha descobrido à trilha sonora da minha vida.

Desse dia em diante eu comecei a colecionar recortes da Zero Hora, Correio do Povo, Revista Bizz… Com reportagens e fotos do DeFalla.
Eu desenhava o Edu porque pra mim ele era como se fosse um super-herói. Com óculos, cotoveleiras, joelheiras, capacetes, saias… Eles não eram desse planeta.

Muito tempo depois disso eu já conheci tantas e tantas coisas maravilhosas… Os Mutantes, Secos & Molhados, etc… Mas nada é igual, nada foi o que foi isso e eu sempre guardo comigo uma frase do Marcelo Fornazier que ele falou pro Serginho Groissman: “O DeFalla é o DeFalla cara!”

Ouvir DeFalla é ser freado atirado contra nenhuma direção!

Postado por edson carvalho em 19 de agosto de 2013 via buteconline.blogspot.com.br